segunda-feira, dezembro 31, 2007

New Year's Day - Bom Ano!!!


Single by U2 from the album War , January 1983




New Year's Day

Yeah...
All is quiet on New Year's Day
A world in white gets underway
I want to be with you
Be with you night and day
Nothing changes on New Year's Day
On New Year's Day

I will be with you again
I will be with you again

Under a blood red sky
A crowd has gathered in black and white
Arms entwined, the chosen few
The newspapers says, says
Say it's true it's true...
And we can break through
Though torn in two
We can be one

I...I will begin again
I...I will begin again

Oh...
Maybe the time is right
Oh...maybe tonight...

I will be with you again
I will be with you again

And so we're told this is the golden age
And gold is the reason for the wars we wage
Though I want to be with you
Be with you night and day
Nothing changes
On New Year's Day

terça-feira, dezembro 25, 2007

Chove. É Dia de Natal.


Chove. É Dia de Natal.
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho o frio e Natal não.

Deixo sentir a quem quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés.

Fernando Pessoa

Filhós com vinho não fazem mal...

Madeiro Natal 2007
Aldeia do Carvalho (Vila do Carvalho)

Alegrem-se os céus e a terra


Alegrem-se os céus e a terra,
cantemos com alegria,
que já nasceu o menino,
filho da Virgem Maria.

Ó meu Menino Jesus,
ó meu Menino tão belo,
logo vieste nascer
na noite do caramelo.

Entrai, pastores, entrai
por este portal Sagrado.
Vinde adorar o menino
numas palhinhas deitado.


Filhós com vinho não fazem mal!!!!

sexta-feira, dezembro 21, 2007

Solstício de Inverno...e o Madeiro...

O texto abaixo descreve de modo algo sucinto as reminiscências da festa pagã de Nataalis Solis Invictus na Beira Interior... Este ano o Solstício de Inverno tem início no dia 22 de Dezembro às 6h08m.

" (...) MADEIROS

Já antes de Cristo nascer, o homem, aqui, ligava-se à terra para o bem e para o mal, pela terra, pelo sol, pela chuva. Pelos elementos da natureza sentia-se ligado a Deus, aos seus deuses. Fazia festas, praticava ritos.

Quando chegava o equinócio do inverno, os homens sentiam que tinham de o enfrentar, e afrontavam, e uniam-se. À volta de uma grande fogueira se juntavam os homens desta terra. Juntavam a si os moços que chegavam à idade de ser homens. Mas sujeitavam-nos a provas rituais.

Com o tempo estes moços, que entravam para o rol dos homens eram os que iriam às sortes, para a vida militar. Hoje é a inspecção.

Estes é que iam roubar o madeiro, e o maior das vezes era gente da mais rica. Lembro os espartanos que eram obrigados a roubar para comer e que só pecavam se se deixassem apanhar...

Faziam-no de noite.

Algumas vezes tinham de usar de truques: fingiam que iam por um lado, enquanto o grosso do grupo ia no rumo certo.

(...) nota-se que nalgumas localidades só houve madeiro quando houve rapaziada para ir para a tropa. Assim, mesmo em povoações que não são sede de freguesia, se foi implantando o costume do madeiro que hoje não é para celebrar o inverso nem o fogo que unia os homens, mas para “aquecer o Menino Jesus”.

A Igreja Católica soube ligar esta festa do fogo à do nascimento de Cristo e à meia-noite.

A valentia dos moços das sortes media-se pela coragem e pelo vulto do madeiro! Estes rapazes ficariam unidos pela vida fora: “Um rapaz do meu tempo! Foi às sortes comigo. Fomos cortar o madeiro!”

E à volta do madeiro era a maior concentração.

As razões do madeiro, desde rito pré-cristão a união de esforços, a reunião de homens, a honrar ou aquecer o Menino Jesus – tudo foi mudando. Hoje não são só os rapazes que vão à tropa. O madeiro é roubado ou quase sonhado....

Hoje permanece, pelo menos, como sinal de união e como capacidade de as gentes de uma terra se reunirem. (...) "

in Câmara Municipal de Belmonte

Rapazes!!! Inesquecível o dia da nossa Fogueira...já lá vão uns anitos...

quinta-feira, dezembro 20, 2007

Pictures of You

The Cure - Álbum Disintegration



Pictures of You

I've been looking so long at these pictures of
you that i almost belive that they're real i've
been living so long with my pictures of you that
i almost believe that the pictures are all i can
feel

remembering you standing quiet in the rain as
i ran to your heart to be near and we kissed as
the sky fell in holding you close how i always
held close in your fear remembering you
running soft through the night you were bigger
and brighter than the snow and
screamed at the make-believe screamed at the
sky and you finally found all your courage to
let it all go

remembering you fallen into my arms crying
for the death of your heart you were stone
white so delicate lost in the cold you were
always so lost in the dark remembering you
how you used to be slow drowned you were
angels so much more than everything oh hold
for the last time then slip away quietly open
my eyes but i never see anything

if only i had thought of the right words i could
have hold on to your heart if only i'd thought of
the right words i wouldn't be breaking apart all
my pictures of you

Looking So long at these pictures of you but i
never hold on to your heart looking so long for
the words to be true but always just breaking
apart my pictures of you

there was nothing in the world that i ever
wanted more than to feel you deep in my heart
there was nothing in the world that i ever
wanted more than to never feel the breaking
apart all my pictures of you

Robert Smith

Festa de Natal FRC 2007


No próximo Sábado, dia 23 de Dezembro, Festa de Natal da Filarmónica Recreativa Carvalhense no Salão Multiusos da FRC.

terça-feira, dezembro 18, 2007

So this is Christmas


Single by John and Yoko, The Plastic Ono Band with the Harlem Community Choir




Happy Christmas (War is Over)

So this is Christmas
And what have you done
Another year over
Another year over
And a new one just begun
Ans so this is Christmas
I hope you have fun
The near and the dear one
The old and the young

A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear
And so this is Christmas
For weak and for strong
For rich and the poor ones
The world is so wrong
And so happy Christmas
For black and for white
For yellow and red ones
Let's stop all the fight
A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear
And so this is Christmas
And what have we done
Another year over
And a new one just begun
Ans so this is Christmas
I hope you have fun
The near and the dear one
The old and the young
A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear
War is over over
If you want it
War is over
Now...

John Lennon

domingo, dezembro 16, 2007

Trova do Vento que Passa

Manuscrito de Manuel Alegre da "Trova do Vento que Passa"

"Este poema de Manuel Alegre simboliza a esperança pela Liberdade e foi cantado por Adriano Correia de Oliveira. O cantor era um amigo do poeta e companheiro das lutas estudantis em Coimbra.
Anos antes, o convívio entre os dois possibilitou a criação de um poema-cantiga que ficou na história da resistência à Ditadura. *Conta-se que numa noite, em plena Praça da República em Coimbra, Manuel Alegre exprimia a sua revolta:
«Mesmo na noite mais triste/ Em tempo de servidão/ Há sempre alguém que resiste/ Há sempre alguém que diz não».
E Adriano Correia de Oliveira disse «mesmo que não fiquem mais versos, esses versos vão durar para sempre». Ficaram. António Portugal compôs a música . «E depois o poema surgiu naturalmente». Tinha nascido a Trova do vento que passa.
Três dias depois vieram para Lisboa, para uma festa de recepção aos alunos na Faculdade de Medicina. Manuel Alegre fez um discurso emocionado, depois Adriano Correia de Oliveira cantou e quando acabou de cantar:
«foi um delírio, teve de repetir três ou quatro vezes, depois cantou o Zeca, depois cantaram os dois. Saímos todos para a rua a cantar. A Trova do vento que passa passou a ser um hino»."

*Eduardo M. Raposo, Cantores de Abril – Entrevistas a cantores e outros protagonistas do Canto de Intervenção, Lisboa, Edições Colibri, 2000.

http://www.instituto-camoes.pt


Trova do Vento que Passa

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio — é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
aqueles pra quem eu escrevo.

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Manuel Alegre

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Serra da Estrela diz que haverá dez regiões e não cinco ?


Polémica Regiões de Turismo convocam assembleia

Serra da Estrela diz que haverá dez regiões e não cinco.

A Associação Nacional das Regiões de Turismo (ANRET) convocou uma assembleia geral, a realizar amanhã, para analisar a aprovação do Governo da redução das actuais 19 para cinco regiões.

A assembleia deverá juntar os 19 presidentes das regiões de turismo com o objectivo de analisar as consequências da aprovação do decreto-lei com as alterações à legislação quadro daquelas entidades.

As cinco regiões previstas são Norte, Centro, Lisboa, Alentejo e Algarve, havendo ainda uma aposta prioritárias noutras cinco zonas do país com potencial turístico - Alqueva, Litoral Alentejano, Região Oeste, Douro e Serra da Estrela.

Uma das inovações avançadas pelo secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, é que as futuras cinco regiões vão poder recorrer ao auto-financiamento "através de acordos com a iniciativa privada", além das verbas do Orçamento de Estado.

A última proposta da ANRET defendia a existência de sete regiões de turismo, as cinco apontadas pelo Governo, a que se juntariam mais duas, as áreas da Grande Lisboa e do Grande Porto.

Dez e não cinco

O presidente da Região de Turismo da Serra da Estrela (RTSE) disse à Agência Lusa que vão passar a existir dez regiões de turismo e não cinco, como anunciado pela tutela.

"Reajo com surpresa ao anúncio que foi feito", disse Jorge Patrão. "As informações de que disponho é que o Conselho de Ministros aprovou dez áreas regionais, totalmente independentes umas das outras e cada uma com a sua entidade gestora", sublinha.

"Agora haverá cinco regiões cujo desenho corresponde às regiões NUT II e cinco que correspondem aos pólos estratégicos definidos em 2006 no Plano Estratégico Nacional para o Turismo (PENT)", que são Douro, Serra da Estrela, Oeste, Alqueva e Litoral Alentejano.

"No caso da Serra da Estrela, ganhamos mais competências e financiamento. Passamos a ter capacidade de contratação directa com o Governo e mais território", realça.


Jornal de Notícias


Oliveira do Hospital sai da Região de Turismo da Serra da Estrela e entram quatro concelhos: Mêda, Sabugal, Figueira de Castelo Rodrigo e Fundão.

Serra da Estrela ??? Região ????

In the Name of Love: Africa Celebrates U2


no próximo 1 de Abril de 2008 sairá à venda, produzido por Shout! Factory, o disco “In the Name of Love: Africa Celebrates U2“. Uma recompilação de músicas do U2 interpretadas por artistas africanos. Uma parte do dinheiro das vendas deste disco irão para a The Global Fund para combater a SIDA, a tuberculose e a malária no continente africano.

In the Name of Love: Africa Celebrates U2 tracklist:
  1. Angelique Kidjo - “Mysterious Ways”
  2. Vieux Farka Touré - “Bullet The Blue Sky”
  3. Ba Cissoko - “Sunday Bloody Sunday”
  4. Vusi Mahlasela - “Sometimes You Can’t Make It On Your Own”
  5. Tony Allen - “Where The Streets Have No Name”
  6. Cheikh Lô - “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”
  7. Keziah Jones - “One”
  8. Les Nubians - “With Or Without You”
  9. Soweto Gospel Choir - “Pride (In The Name Of Love)”
  10. Sierra Leone’s Refugee All Stars - “Seconds”
  11. African Underground All-Stars Featuring Chosan, Optimus & Iyoka - “Desire”
  12. Waldemar Bastos - “Love Is Blindness”
http://www.ultraviolet-u2.com/foruns/showthread.php?t=6902

quinta-feira, dezembro 13, 2007

Manhã Submersa

1980
Grande Momento do Festival de Cannes

Troféu Nova Gente para Melhor Filme do Ano e Melhor Actriz
Seleccionado para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro
Prémio Feminae do Festival de Cinema da Figueira da Foz


"Li Manhã Submersa há uns poucos anos, mas o meu Vergílio Ferreira já era (e continua a ser) outro, aquele onde aparece a magnífica Sofia. Foi portanto com uma memória difusa que entrei no Quarteto para ver a adaptação que Lauro António fez para cinema em 1980, e que se encontra em reposição. Filmado na Serra da Estrela, “Manhã Submersa” segue os trilhos de António, um menino de uma família muito pobre que é encaminhado por uma senhora devota e abastada da região para um seminário. No seminário, mostrado com um espaço de extrema disciplina e autoritarismo asfixiante, António toma consciência de si enquanto homem, constatando a evidência da sua falta de vocação e ganhando finalmente coragem para o acto brutal que o conduz à libertação.(...)"



Manhã Submersa

O frio aperta
Na manhã submersa
Entre a neblina com o sol a
Nascer
Contando os passos para se
Entreter
Lá vai ele ainda a sonhar

Não sabe o nome
Mas conhece o cheiro
Quando ela entrar
No apeadeiro

Talvez à tarde
Quando a escola acabar
Mesmo à saída
A bola a girar
Ela apareça
E ele consiga falar

A rapariga saiu da escola
Viu os rapazes a jogar à bola
Passou por eles houve um que
Sorriu
Não ligou e a rua subiu

Só mais tarde, já ao deitar
Olhou o espelho onde
Foi encontrar
O amor escondido
E então sorriu

Xutos e Pontapés

quarta-feira, dezembro 12, 2007

Summer Wine



Summer Wine

[Andrea]
Strawberries, cherries and an angel's kiss in spring....
My summer wine is really made from all these things

[Bono]
I walked in town on silver spurs that jingled to
and sang a song that I had sang just for a few
She saw my silver spurs and said let's pass some time
And I will give to you...summer wine

[Andrea and Bono]
Ohhhh...summer wine

[Andrea]
Strawberries, cherries and an angel's kiss in spring....
My summer wine is really made from all these things
Take off your silver spurs and help me pass the time
And I will give to you.....summer wine

[Andrea and Bono]
Ohhhh....summer wine

[Bono]
My eyes grew heavy and my lips they could not speak
I tried to stand up but I could not find my feet
she reassured me with an unfamiliar line
And then she gave to me...more summer wine

[Andrea and Bono]
Ohhhh....summer wine

[Andrea]
Strawberries, cherries and an angel's kiss in spring....
My summer wine is really made from all these things
Take off your silver spurs and help me pass the time
And I will give to you.....summer wine

[Andrea and Bono]
Ohhhh....summer wine

When we woke up, the sun was shining in our eyes
The silver spurs were gone, my head felt twice its size
She took my silver spurs, a dollar and a dime
And left us craving for.....more summer wine
Ohhh..summer wine...

Summer Wine
is a song originally sung by Nancy Sinatra and Lee Hazlewood. It was later covered by Demis Roussos, Bono of U2 with The Corrs, Gry with FM Einheit and his Orchestra, Scooter (on the 2000 album Sheffield), and by Ville Valo & Natalia Avelon for the soundtrack of Das Wilde Leben. It was also covered by Ed Kuepper and Clare Bowditch on the cult Australian music gameshow Rockwiz

in Wikipedia

terça-feira, dezembro 11, 2007

Dia Internacional das Montanhas



Managing climate change in mountains

Pistas de esqui Serra da Estrela - Dezembro 2007


Until recently, economic, political or social changes such as globalization and migration were taken to be the main drivers of change in mountains. Today, it is increasingly realized that climate change and its consequences are likely to have similar or even greater impacts. As this is a relatively new insight, climate change has so far not been adequately included in planning and decision-making processes – this is also true for mountain regions.

However, there is a growing body of adaptive action relating to climate change in mountains. These include technological measures, such as prevention of glacial lake outburst in the Himalaya, or safeguards against slope instability due to permafrost decay in the Alps and northern Europe. Mountain resorts in Europe and North America have started diversifying their services to compensate for the loss of winter tourism caused by the lack of snow – an example of adaptive management in the face of climate change. At the policy level, a number of countries are reviewing land use plans and zoning, a crucial measure for both mountains and surrounding lowlands, as floods, landslides and avalanches are likely to become more severe and affect areas so far considered safe.

Adaptation will have to be supported by mitigating measures that address the root causes of climate change: the emission of greenhouse gases and other substances that might cause global warming. Key issues are the reduction of these emissions and the improvement of energy efficiency. Promising recent actions include:

    • the promotion of energy-saving buildings in the Alps, Central Asia and the Himalayas;
    • the shift from road to rail of long-distance freight transport including Alpine transit traffic;
    • the development of emission-free energy production, such as medium-size or micro-hydropower, as promoted in China, India and Nepal.

The involvement of economic and population centres outside mountain regions in industrialized, emerging and developing economies will be critical for achieving a tangible reduction of emissions, as a significant proportion of the greenhouse gases are released in these areas. One way is through Payment for Environmental Services (PES) relating to watershed management, biodiversity conservation, carbon sequestration and water regulation for hydropower. There are a growing number of PES programmes where mountain communities are benefiting in implementing adaptation measures to maintain environmental services of mountain ecosystems.


http://www.fao.org/mnts/intl_mountain_note_en.asp#what

domingo, dezembro 09, 2007

Parabéns...

Girl from the Back, 1925
Salvador Dalí


Aniversário

Fernando Pessoa
(Álvaro de Campos)


No TEMPO em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No TEMPO em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui — ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui...
A que distância!...
(Nem o acho...)
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

O que eu sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes...
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas
lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio...

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim...
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!

Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui...
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,
O aparador com muitas coisas — doces, frutas o resto na sombra debaixo do alçado —,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...

Pára, meu coração!
Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira!...

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!...


15/10/1929

sábado, dezembro 08, 2007

A padroeira...Aldeia do Carvalho

Imagem da estátua de N.ª Sr.ª da Conceição na igreja matriz de Vila do Carvalho


...Talvez sejamos um estado laico...mas hoje celebra-se um feriado nacional e católico, celebra-se a Padroeira de Portugal...Solenidade da Imaculada Conceição...antigo Dia da Mãe no nosso país...

Em 1646 D. João IV pediu protecção à nossa Senhora da Conceição e proclamou-a Padroeira de Portugal.
Nessa altura ele deu-lhe a coroa e a partir daí os reis portugueses deixaram de usar coroa...pois considerou-se que só a Virgem tinha esse direito...


Dicionário geográfico de Portugal" [Tomo 2, A 2]
Memórias Paroquiais 1758


















PT-TT-MPRQ/2/18(Torre do Tombo)

Título
Aldeia do Carvalho, Covilhã
Datas
1758
NívelDescrição
Documento Simples / 4 p.
CódigoReferAlternCota
Memórias paroquiais, vol. 2, nº 18, p. 157 a 160
EntidadeDetentora
IANTT

sexta-feira, dezembro 07, 2007

Bom fim de semana


Os U2 foram nomeados para 2 prémios Grammy na sua 50º edição cuja cerimonia será realizada a 10 de Fevereiro de 2008. Os temas para os quais foram nomeados são:

Best Pop Performance By A Duo Or Group With Vocals:


Window In The Skies do álbum U2 18 Singles

Best Rock Performance By A Duo Or Group With Vocals:


Instant Karma do álbum Instant Karma - The Campaign To Save Darfur

A banda sonora do filme 'Across the Universe' está nomeada para o premio Best Compilation Soundtrack Album, que conta com a participação de Bono e os Secret Machines no tema 'I Am The Walrus' , e Bono e The Edge no tema 'Lucy In The Sky With Diamonds', ambos originais dos Beatles.

Actualmente os U2 possuem o recorde de prémios Grammy com um total de 22.

http://www.u2portugal.com/



Lucy in the sky with diamonds (Bono cover)
(Lennon/McCartney)

Picture yourself in a boat on a river
With tangerine trees and marmalade skies
Somebody calls you, you answer quite slowly
A girl with kaleidoscope eyes

Cellophane flowers of yellow and green
Towering over your head
Look for the girl with the sun in her eyes
And she's gone

Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Aaaaahhhhh...

Follow her down to a bridge by a fountain
Where rocking horse people eat marshmellow pies
Everyone smiles as you drift past the flowers
That grow so incredibly high

Newpaper taxis appear on the shore
Waiting to take you away
Climb in the back with your head in the clouds
And you're gone

Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Aaaaahhhhh...

Picture yourself on a train in a station
With plasticine porters with looking glass ties
Suddenly someone is there at the turnstyle
The girl with the kaleidoscope eyes

Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Aaaaahhhhh...
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Aaaaahhhhh...
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds (fade out)





quinta-feira, dezembro 06, 2007

Domingo...




(o poema não é de Almada Negreiros mas sim de Manuel da Fonseca)

Título:

Mário Viegas no centenário de Almada Negreiros

Autor:

Mário Viegas

Outros Responsáveis:

Almada Negreiros; Manuel da Fonseca; Pablo Neruda; Nicolas Guillen; Jorge de Sena; Vinicius de Moraes; Eugénio de Andrade; Fernando Assis Pacheco; Manuel Seabra

Publicação:

Lisboa : Orfeo, 1993

ISRC:

Orfeu: 35001

Descrição Física: 1 disco (CD) (ca. 36 min.) : stereo; 12 cm + folheto
Notas:
Área: Fonogramas Não Musicais
Cota: 690.VIE.04039


1.

Manifesto Anti-Dantas / José de Almada Negreiros.


2.

Domingo / Manuel da Fonseca.


3.

Ode ao pão / Pablo Neruda; Trad. de Fernando Assis Pacheco.


4.

Há muito tempo / Nicolas Guillen; Trad. de Manuel Seabra.


5.

Carta aos meus filhos sobre os fusilamentos de Goya / Jorge de Sena.


6.

A morte na madrugada / Vinicius de Morais.


7.

Requiem para Pier Paolo Pasolini / Eugénio de Andrade.


Quando chega domingo,
faço tenção de todas as coisas mais belas
que um homem pode fazer na vida.

Há quem vá para o pé das águas
deitar-se na areia e não pensar...
E há os que vão para o campo
cheios de grandes sentimentos bucólicos
porque leram, de véspera, no boletim do jornal:
«bom tempo para amanhã»...
Mas uma maioria sai para as ruas pedindo,
pois nesse dia
aqueles que passeiam com a mulher e os filhos
são mais generosos.
Um rapaz que era pintor
não disse nada a ninguém
e escolheu o domingo para se matar.
Ainda hoje a família e os amigos
andam pensando porque seria.
Só não relacionam que se matou num domingo!
Mariazinha Santos
(aquela que um dia se quis entregar,
que era o que a família desejava,
para que o seu futuro ficasse resolvido),
Mariazinha Santos
quando chega domingo,
vai com uma amiga para o cinema.
Deixa que lhe apalpem as coxas
e abafa os suspiros mordendo um lencinho que sua mãe lhe bordou,
quando ela era ainda muito menina...
Para eu contar isto
é que conheço todas as horas que fazem um dia de domingo!
À hora negra das noites frias e longas
sei duma hora numa escada
onde uma velha põe sua neta
e vem sorrir aos homens que passam!
E a costureirinha mais honesta que eu namorei
vendeu a virgindade num domingo
— porque é o dia em que estão fechadas as casas de penhores!

Há mais amargura nisto
que em toda a História das Guerras.

Partindo deste princípio,
que os economistas desconhecem ou fingem desconhecer,
eu podia destruir esta civilização capitalista, que inventou o domingo.
E esta era uma das coisas mais belas
que um homem podia fazer na vida!

Então,
todas as raparigas amariam no tempo próprio
e tudo seria natural
sem mendigos nas ruas nem casas de penhores...

Penso isto, e vou a grandes passadas...
E um domingo parei numa praça
e pus-me a gritar o que sentia,
mas todos acharam estranhos os meus modos
e estranha a minha voz...
Mariazinha Santos foi para o cinema
e outras menearam as ancas
— ao sol
como num ritual consagrado a um deus! —
até chegar o homem bem-amado entre todos
com uma nota de cem na mão estendida...

Venha a miséria maior que todas
secar o último restolho de moral que em mim resta;
e eu fique rude como o deserto
e agreste como o recorte das altas serras;
venha a ânsia do peito para os braços!

E vou a grandes passadas
como um louco maior que a sua loucura...
O rapaz que era pintor
aconchegou-se sobre a linha férrea
para que a morte o desfigurasse
e o seu corpo anónimo fosse uma bandeira trágica
de revolta contra o mundo.
Mas como o rosto lhe estava intacto
vai a família ao necrotério e ficou aterrada!
Conheci-o numa noite de bebedeira
e acho tudo aquilo natural.
A costureirinha que eu namorei
deixava-se ir para as ruas escuras
sem nenhum receio.
Uma vez que chovia até entrámos numa escada.
Somente sequer um beijo trocámos...
E isto porque no momento próprio
olhava para mim com um propósito tão sereno
que eu, que dela só desejava o corpo bom feito,
me punha a observar o outro aspecto do seu rosto,
que era aquela serenidade
de pessoa que tem a vida cheia e inteira.
No entanto, ela nunca pôs obstáculo
que nesse instante as minhas mãos segurassem as suas.
Hoje encontramo-nos aí pelos cafés...
(ela está sempre com sujeitos decentes)
e quando nos fitamos nos olhos,
bem lá no fundo dos olhos,
eu que sou homem nascido
para fazer as coisas mais heróicas da vida
viro a cabeça para o lado e digo:
— rapaz, traz-me um café...
O meu amigo, que era pintor,
contou-me numa noite de bebedeira:
— Olha,
quando chega domingo,
não há nada melhor que ir para o futebol...
E como os olhos se me enevoassem de água,
continuou com uma voz
que deve ser igual à que se ouve nos sonhos:
— .... no entanto, conheço um homem
que ia para a beira do rio
e passava um dia inteirinho de domingo
segurando uma cana donde caia um fio para a água...
... um dia pescou um peixe,
e nunca mais lá voltou...
O pior é pensar:
que hei-de fazer hoje, que toda a gente anda alegre
como se fosse uma festa?... —
O rapaz que era pintor sabia uma ciência rara,
tão rara e certa e maravilhosa
que deslumbrado se matou.

Pago o café e saio a grandes passadas.
Hoje e depois e todos os dias que vierem,
amo a vida mais e mais
que aqueles que sabem que vão morrer amanhã!

Mariazinha Santos,
que vá para o cinema morder o lencinho que sua mãe lhe bordou...
E os senhores serenos, acompanhados da mulher e dos filhos,
que parem ao sol
e joguem um tostão na mão dos pedintes...
E a menina das horas longas e frias
continue pela mão de sua avó...
E tu, que só andas com cavalheiros decentes,
ó costureirinha honesta que eu namorei um dia,
fita-me bem no fundo dos olhos,
fita-me bem no fundo dos olhos!

Então,
virá a miséria maior que todas
secar o último restolho de moral que em mim resta;
e eu ficarei rude como o deserto
e agreste como o recorte das altas serras:
e virá a ânsia do peito para os braços!


Domingo que vem,
eu vou fazer as coisas mais belas
que um homem pode fazer na vida!


Manuel da Fonseca

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Un Perro Ha Muerto


Un perro ha muerto

Mi perro ha muerto.
Lo enterré en el jardín
junto a una vieja máquina oxidada.

Allí, no más abajo,
ni más arriba,
se juntará conmigo alguna vez.

Ahora él ya se fue con su pelaje,
su mala educación, su nariz fría.

Y yo, materialista que no cree
en el celeste cielo prometido
para ningún humano,
para este perro o para todo perro
creo en el cielo, sí, creo en un cielo
donde yo no entraré, pero él me espera
ondulando su cola de abanico
para que yo al llegar tenga amistades.

Ay no diré la tristeza en la tierra
de no tenerlo más por compañero
que para mí jamás fue un servidor.
Tuvo hacia mí la amistad de un erizo
que conservaba su soberanía,
la amistad de una estrella independiente
sin más intimidad que la precisa,
sin exageraciones:
no se trepaba sobre mi vestuario
llenándome de pelos o de sarna,
no se frotaba contra mi rodilla
como otros perros obsesos sexuales.

No, mi perro me miraba dándome la atención necesaria
la atención necesaria
para hacer comprender a un vanidoso
que siendo perro él,
con esos ojos, más puros que los míos,
perdía el tiempo, pero me miraba
con la mirada que me reservó
toda su dulce, su peluda vida,
su silenciosa vida,
cerca de mí, sin molestarme nunca,
y sin pedirme nada.

Ay cuántas veces quise tener cola
andando junto a él por las orillas del mar,
en el Invierno de Isla Negra,
en la gran soledad: arriba el aire
traspasando de pájaros glaciales
y mi perro brincando, hirsuto,
lleno de voltaje marino en movimiento:
mi perro vagabundo y olfatorio
enarbolando su cola dorada
frente a frente al Océano y su espuma.
alegre, alegre, alegre
como los perros saben ser felices,
sin nada más,
con el absolutismo de la naturaleza descarada.
No hay adiós a mi perro que se ha muerto.

Y no hay ni hubo mentira entre nosotros.
Ya se fue y lo enterré, y eso era todo.

Pablo Neruda


...Meu grande amigo......Adeus...

Dancing Barefoot...



U2 Cover
Dancing Barefoot

she is benediction
she is addicted to thee
she is the root connection
she is connecting with he

here I go and I don't know why
I fell so ceaselessly
could it be he's taking over me...

I'm dancing barefoot
heading for a spin
some strange music draws me in
makes me come on like some heroin/e

she is sublimation
she is the essence of thee
she is concentrating on
he, who is chosen by she

here I go and I don't know why
I spin so ceaselessly,
could it be he's taking over me...

[chorus]

she is re-creation
she, intoxicated by thee
she has the slow sensation that
he is levitating with she ...

here I go and I don't know why,
I spin so ceaselessly,
'til I lose my sense of gravity...

[chorus]

(oh god I fell for you ...)

the plot of our life sweats in the dark like a face
the mystery of childbirth, of childhood itself
grave visitations
what is it that calls to us?
why must we pray screaming?
why must not death be redefined?
we shut our eyes we stretch out our arms
and whirl on a pane of glass
an afixiation a fix on anything the line of life the limb of a tree
the hands of he and the promise that s/he is blessed among women.

(oh god I fell for you ...)


"Dancing Barefoot" is a song by the Patti Smith Group, taken from the 1979 album Wave. According to the album sleeve, the song was dedicated to women such as Modigliani's mistress Jeanne Hébuterne. It was released as a single and has been called Smith's best song.

In the Rolling Stone issue that contained the magazine's list of "The 500 Greatest Songs of All Time," "Dancing Barefoot" was ranked No. 323[1]; interestingly enough the magazine had been unimpressed by the song on its initial review of Wave.

Cover versions

This song has been re-recorded by the following bands and artists:

Jeanne Hébuterne (Paris, 6 de abril de 189825 de janeiro de 1920) foi uma pintora francesa.

De família católica e conservadora, sempre foi uma bela moça e desde cedo voltada para as artes. Afiliou-se à comunidade artística em Montparnasse por seu irmão André Hébuterne(1894-1992), que queria ser pintor. Entretanto, querendo prosseguir uma carreira nas artes, e com muito talento, escolheu estudar na Academia Colarossi. Foi retratada diversas vezes por Léonard Fujita Tsuguharu(1886-1968) pintor francês de descendência japonesa. Autora de obras como "A suicida" e "A morte", de traço simples e explicativo.

Em 1917 Jeanne conheceu o pintor Amedeo Modigliani. Embora Modigliani fosse judeu e quatorze anos mais velho do que ela, era um homem muito considerado e charmoso. Começaram a se encontrar imediatamente e acabaram se apaixonando. Em 29 de novembro de 1918 dá a luz a uma menina,que recebe o mesmo nome da mãe,e é reconhecida como filha por Modigliani.

Em julho de 1919, descobre estar grávida novamente, mostrando desapontamento. É renunciada de sua família, por escolher viver com Modi. Logo fica comprometida de se casar com o pintor, que registrara seu nome errado no documento de matrimônio para invalidar a relação, que para ele era apenas carnal. A vida do casal não era um mar de rosas e Modigliani tinha a saúde debilitada devido a uma tuberculose mal curada e ao consumo excessivo de álcool e drogas. Ele morre no Charité de Paris no dia 24 de janeiro de 1920. Jeanne, companheira devotada e grávida de nove meses do segundo filho, sobrevive apenas uma noite, atirando-se do quinto andar do prédio onde morava.

Seu corpo foi velado e sepultado ás escondidas, pelos pais, no cemitério de Bagneux. Sua filha foi criada pelas irmãs de Modigliani, e cresceu sem saber o que ocorrera com os pais. Apenas dez anos depois, Jeanne e seu filho que não nasceu foram transferidos para o cemitério do Père Lachaise, para descansarem ao lado de Modigliani. Seus trabalhos foram guardados por seu irmão André, a sete chaves, e apenas em 2000 foram mostrados ao público, numa exposição na Itália, com uma sala reservada apenas para obras do casal.

in Wikipedia

domingo, dezembro 02, 2007

Primeiro concerto : os Transvision Vamp...


...memórias de adolescente...em final dos anos 80 em Cascais, vi pela primeira vez um concerto ao vivo, os Transvision Vamp e a sua explosiva e sexy vocalista Wendy James...



Transvision Vamp

Os Tranvision Vamp foram uma banda de rock alternativo britânica formada em 1986 por Dave Parsons (ex - The Partisans) famosos no final da década de 80, cujas músicas misturavam o punk, o art rock e a sonoridade “big band” de Phil Spector.

Wendy James
, a vocalista principal - e o elemento mais mediático do grupo - foi a principal responsável pela notoriedade do grupo devivo à sua imagem rebelde e cheia de indícios sexuais.

Assinaram um contrato com a MCA e publicaram, em Abril de 1988, uma versão de “Tell That Girl to Shut Up” dos Holly and The Italians. Em Maio lançaram “I Want Your Love”, o primeiro grande êxito, assente numa mistura de pop e punk; atingiu o número 10 na tabela de singles do Reino Unido. Em Outubo lançaram o álbum “Pop Art”.

Originalmente um quinteto, continuaram como quarteto após a expulsão do baterista Pol Burton.

O máximo da popularidade seria atingido em 1989, com o single “Baby I Don’t Care” e o álbum “Velveteen”.

Em 1990, a MCA recusou lançar o terceiro álbum da banda, Little Magnets Versus The Bubble Of Babble, devido à sua música ser considerar mais melancólica. Foi lançado finalmente em 1991, mas a popularidade e o interesse pela banda tinha já desparecido. A banda desintegrou-se rapidamente depois disso.

Os seus principais êxitos foram:
1987
Revolution Baby [UK #77]
1988
Tell That Girl To Shut Up [UK #45, US #87, AUS #44]
I Want Your Love [UK #5, AUS #8]
Revolution Baby (re-issue) [UK #30, AUS #27]
Sister Moon [UK #41]
1989
Baby I Don’t Care [UK #3, AUS #3]
The Only One [UK #15, AUS #30]
Landslide Of Love [UK #14]
Born To Be Sold [UK #22]
1991
(I Just Wanna) B With You [UK #30, AUS #16]
If Looks Could Kill [UK #41, AUS #56], uma versão de um original dos Heart.

Depois do adeus…

Wendy James prosseguiu a carreira musical a solo, e relançou-se recentemente com o nome Racine

Nick Christian Sayer, o guitarrista, abandounou o mundo da música.

Tex Axile, teclado, tocou nos Max durante algum tempo; os Max lançaram o álbum “Silence Running” em 1994, meses antes de desaparecerem. Desde então, tem actuado sozinho, e lançou dois álbuns, “Diary Of A Genius” w “Little Monsters”.

Dave Parsons juntou-se aos Bush, pouco conhecidos no Reino Unido mas famosos no resto do planeta; os singles lançados incluem “Little Things”, “Comedown”, “Glycerine” e “Swallowed”.

in http://thisiswhoiam.wordpress.com/

sábado, dezembro 01, 2007

Crepúsculo

...e hoje acordei bem cedo...



1 Dezembro 2007 - Estrela ao amanhecer




Six o'clock in the morning, you're the last to hear the warning
You been tryin' to throw your arms around the world.
You been falling off the sidewalk, your lips move but you can'ttalk
Tryin' to throw your arms around the world.

quinta-feira, novembro 29, 2007

Retrato Musical...



Os Portugueses

"As imagens fortes recolhidas para compor a panorâmica da sociedade portuguesa contemporânea, inspiraram Rodrigo Leão a criar uma música igualmente forte, com subtis marcas da nossa identidade. Essas peças foram agora adaptadas para esse ecrã maior que é o palco e serão levadas estrada fora ao encontro do país que as inspirou.


Este espectáculo beneficiará ainda da inclusão de alguns temas inéditos e das canções em português que Rodrigo compôs na fase mais recente da sua carreira. O Retrato Social passa a Retrato Musical, pintado ao vivo."



Esta série, da autoria de António Barreto e realizada por Joana Pontes , é um retrato da sociedade portuguesa contemporânea. Tenta responder às perguntas mais simples. Quem somos? Onde vivemos? Como trabalhamos? Que saúde, que educação e que justiça temos?

Para isso, o autor recorre à comparação com o que éramos há três ou quatro décadas e sublinha especialmente as grandes mudanças ocorridas desde então. É o mesmo país, mas os portugueses já não são os mesmos.

Mudámos muito, em pouco tempo. Podemos viver melhor ou não, mas vivemos de modo diferente.

link: Episódios de PORTUGAL, UM RETRATO SOCIAL, da autoria de António Barreto.


Jerónimo de Sousa também em Vila do Carvalho


Jerónimo de Sousa, Secretário Geral do PCP, visita a Covilhã no próximo dia de 9 de Dezembro.

Esta visita insere-se no âmbito da Inauguração das obras de beneficiação e restauro do Centro de Tranbalho do PCP (casa das Morgadas) nesta Cidade. do programa da visita destaca-se:

11h.30 - visita ao Centro de trabalho com Porto de honra

13h - Almoço, na Filarmónica Carvalhense em Vila do Carvalho - as inscrições decorrem até dia 4 de Dezembro no Centro de trabalho

http://www.castelo-branco.pcp.pt/


terça-feira, novembro 27, 2007

Lagoas do Planalto Superior da Serra da Estrela



"Há no mais alto desta serra duas lagoas de monstruosa grandeza, uma das quais tão funda, que se não pode sondar o lastro, e afirmam os moradores da terra que algumas vezes se vêm nelas tábuas de navios e outras coisas semelhantes. Sua água é doce, como da fonte, mas escura e triste e pouco saborosa ao gosto; não se cria em nenhuma destas lagoas género de peixe algum nem coisa viva” "


Bernardo de Brito, Geografia da Lusitânea, 1597


" A maior parte destas lagoas tem uma dimensão reduzida, não excedendo qualquer delas os 10ha, e situam-se, na quase totalidade, acima dos 1600m de altitude. Por outro lado, embora sejam na sua totalidade de origem natural, uma parte delas foi artificializada de forma a integrarem o complexo de produção de energia eléctrica da serra da Estrela (tabela 1). Este Plano refere-se ainda a seis outras lagoas não artificializadas e com áreas inferiores a 1,5ha, para as quais não foi possível encontrar um topónimo e que, por isso, não se incluem na tabela. Todas elas se situam a cotas superiores a 1500m."


Lagoas do Planalto Superior da Serra da Estrela
texto L.T. Costa, J.P. Fidalgo, R. Neves & R. Rufino


Site Map: Wetland Types in Estrela Mountain upper Plateau and upper Zêzere River(PDF)

....e no ponto 3 sobre a Definição das orientações de gestão na área temos então:



" 3) Manter o isolamento das lagoas

A maior parte das lagoas está hoje relativamente isolada, tendo acesso apenas por caminhos de pé posto. Procura-se assim compatibilizar esta exiguidade de acessos com uma visitação lúdica, estabelecendo regras claras que condicionem o seu uso a limites aceitáveis para os valores em presença. Possíveis resultados que podem contribuir para este objectivo: construção de centro de visitação numa das lagoas de modo a afastar os visitantes das restantes; ordenamento da visitação; construção de barreiras à visitação de certas lagoas, produção de roteiros para
visitantes com informação sobre as lagoas visitáveis. "

http://www.icn.pt/medwet/Serra%20da%20Estrela.pdf

sábado, novembro 24, 2007

One Tree Hill...e Bom Fim de Semana



One Tree Hill


We turn away to face the cold, enduring chill
As the day begs the night for mercy love
The sun so bright it leaves no shadows
Only scars
Carved into stone
On the face of earth
The moon is up and over One Tree Hill
We see the sun go down in your eyes

You run like a river, on to the sea
You run like a river runs to the sea

And in the world a heart of darkness
A fire zone
Where poets speak their heart
Then bleed for it
Jara sang - his song a weapon
In the hands of one
whose blood still cries
From the ground

He runs like a river runs to the sea
He runs like a river to the sea

I don't believe in painted roses
Or bleeding hearts
While bullets rape the night of the merciful
I'll see you again
When the stars fall from the sky
And the moon has turned red
Over One Tree Hill

We run like a river
Runs to the sea
We run like a river to the sea
And when it's raining
Raining hard
That's when the rain will
Break the heart

Raining...raining in your heart
Raining into your heart
Raining...raining into your heart
Raining, raining...raining
Raining into your heart
Raining...
Raining your heart into the sea

Oh great ocean
Oh great sea
Run to the ocean
Run to the sea




"One Tree Hill" is the ninth track and final single from U2's 1987 album, The Joshua Tree. The single was released exclusively in New Zealand in 1988 where it went to number one. The title of the song refers to One Tree Hill, a volcanic peak in Auckland, New Zealand. At the time of the song's release, a single Monterey pine tree stood on the hill. The tree was removed in 2000, 6 years after being chainsawed by a Māori activist. The song was written in memory of Bono's personal assistant, Greg Carroll, a native of New Zealand, who died in a 1986 motorcycle crash in Dublin. The lyrics also reference Chilean folk singer Victor Jara."

sexta-feira, novembro 23, 2007

...nesta data repost


Rapariga na Janela - Salvador Dali
Fim

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.

Mário de Sá Carneiro


...para alguém muito especial que já partiu...tenho a certeza que foste de "burro"...

Enjoy the Silence

Words like violence
Break the silence
Come crashing in
Into my little world
Painful to me
Pierce right through me
Cant you understand
Oh my little girl(...)

Dia da Floresta Autóctone

Encosta da Ladeira- Ribeira da Lapa - Vila do Carvalho

Dia da Floresta Autóctone

23 de Novembro é o Dia da Floresta Autóctone. A QUERCUS assinala o dia com campanhas de sensibilização e florestação e alerta para o facto dos nossos carvalhais, com a excepção dos sobreirais e azinhais, carecerem de protecção legal.

QUERCUS - Associação Nacional de Conservação da Natureza